Arquivo da tag: SOBE Iguaçu

Para Marcelo Tamandaré, perda do título provou que o futebol é injusto

Marcelo Tamandaré, do Iguaçu, foi o artilheiro da Suburbana, com 14 gols

Marcelo Tamandaré, do Iguaçu, foi o artilheiro da Suburbana, com 14 gols

A média de gols de Marcelo Tamandaré na Suburbana deste ano foi impressionante. O atacante do Iguaçu marcou 14 gols nas 21 partidas disputadas pela equipe alvinegra de Santa Felicidade. Isto significa que a cada três jogos, o camisa 10 fez dois gols, sendo um dos grandes destaques do time que fez a melhor campanha geral, teve melhor ataque, melhor defesa, mas ficou com o vice-campeonato ao não conseguir marcar gol algum no Santa Quitéria na decisão. Por isso, mesmo com a marca individual, o gosto de tudo para o atacante foi de amargor.

“Não adianta fechar como artilheiro. Hoje [sábado (5)] foi a prova que o futebol é injusto. Fomos melhores o campeonato inteiro, mas este tipo de jogo é difícil e lá teve pênalti que não deram. Todo mundo no vídeo viu que foi. Mas a gente não teve capacidade de fazer gol hoje”, lamentou Tamandaré, que aos 36 anos passou por clubes como Coritiba, América do México, Ajaccio, Vasco da Gama, Portuguesa, Belenenses e Fortaleza, antes de jogar a Suburbana pelo Iguaçu.

O avante preferiu não considerar como fundamental para a perda do título a lesão do vice-artilheiro Altair, 11 gols, no início da partida contra o Santa Quitéria. O camisa 8 foi substituído pelo meia-atacante Marcelo Moscatelli, ex-Flamengo. “Temos peças. O Altair é peça importante, mas temos outros suplentes imediatos que tinham talvez a mesma qualidade, mas não era o nosso dia mesmo”, concluiu.

Confira a lista final de principais artilheiros da Série A da Suburbana:

14 gols

Marcelo Tamandaré (Iguaçu)

11 gols

Altair (Iguaçu)

9 gols

Lucas Batatinha (Novo Mundo)

8 gols

Jônatas Omelete (Santa Quitéria)

7 gols

Felipe Caron (Renovicente)

Magu (Vila Fanny)

6 gols

Willian Israel (Renovicente)

Fernandinho (Santa Quitéria)

5 gols

Richard (Urano)

Willians Alves (Renovicente)

Luciano Tanque (Iguaçu)

Laércio (Trieste)

Camargo (Trieste)

Diego Sena (Santa Quitéria)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Santa Quitéria segura Iguaçu e conquista a Suburbana

Jogadores do Santa Quitéria comemoram o título da Suburbana. Distúrbios no fim da partida impediram entrega oficial da taça

Jogadores do Santa Quitéria comemoram o título da Suburbana. Distúrbios no fim da partida impediram entrega oficial da taça

O Santa Quitéria conquistou na tarde deste sábado (5) a Suburbana pela quinta vez em sua história. O título, primeiro desde 2010, veio num empate sem gols contra o Iguaçu no Egydio Ricardo Pietrobelli, casa do adversário. Como venceu a ida no Maurício Fruet por 1 a 0, gol de Jônatas Omelete, o time auriverde chegou aos quatro pontos no mata-mata decisivo, o que significou o título após uma partida defensivamente impecável.

A taça infelizmente não pôde ser levantada no gramado, pois distúrbios que começaram com objetos atirados no gramado e terminaram com intervenção da Polícia Militar fizeram com que o cerimonial do campeonato fosse transferido.

O jogo

O Iguaçu teve uma baixa poucos minutos antes do jogo. O goleiro Jura foi barrado ao sentir no aquecimento. Com isso, o Galo da Colônia foi com Rodrigo no gol, mas mantendo a certeza que teria de ir com tudo para cima numa formação ofensiva cheia de atacantes. O Santa Quitéria usou uma formação usual de sua equipe, dando recado que não viria apenas para se defender, mesmo em teoria se satisfazendo com um empate.

O Iguaçu começou com uma blitz ofensiva e quase marcou aos 12 minutos com Djonatan perdendo chance frente a frente com Jonas. Porém, o Santa Quitéria passou a equilibrar o jogo e a encaixar a marcação, mesmo que pecando muito na saída de bola. O time da casa sofreu um golpe aos 16 minutos quando perdeu seu vice-artilheiro, e do campeonato, Altair, por lesão.

Enquanto tentava atacar em números, o Iguaçu via o Santa Quitéria recuperar bem a bola no meio de campo e tentar emendar algum contra-ataque. Isso colocou o jogo em alta voltagem, mesmo que não houvesse lances deliberadamente violentos.

No segundo tempo, Jônatas Omelete quase abriu o placar para o Santa Quitéria aos 10 minutos. O tempo conspirava contra o Iguaçu, que martelou, parando em mais uma boa atuação do goleiro Jonas, e tomava seus sustos, como mais um, aos 41 minutos, com Luan. Um lance seria capaz de mudar tudo, podendo levar a decisão para um terceiro jogo.

O clima ficou nervoso demais fora de campo, com a partida sendo várias vezes paralisada nos últimos minutos por pedras, paus e latas atiradas no gramado pela torcida local. Era a pior coisa que poderia acontecer ao Iguaçu, que teve seu ímpeto cortado pela confusão e não teve tempo para mais nada.

Cenas lamentáveis deixam final sem taça

Ao apito final, a chuva de objetos tornou-se maior e incluiu pedras, tijolos e até cadeiras de plástico, que ficaram maiores quando parte da torcida do Santa Quitéria entrou em campo para comemorar com os jogadores. A Polícia Militar interviu, com direito a uso de balas de borracha, dispersando até o público que não tinha a ver com a confusão. Com isso o cerimonial de premiação foi adiado pela Federação Paranaense de Futebol.

Sem taça, os jogadores do Santa Quitéria primeiro ficaram acuados no lado inverso da confusão, depois comemoraram com sua torcida o título que não vinha desde 2010.

Jorge Mendonça XXI

O camisa 14 do Iguaçu, Caio, foi para a mesa, assinou a súmula e preparou-se para entrar. Eram passados 34 minutos do 2.º tempo. Ele iria entrar no lugar de Djonatan. Porém, o técnico Juninho pediu para a substituição esperar e lá ficou Caio por longos minutos ao lado do campo. No fim das contas, acabou não entrando na partida.

Campeão de novo

O meia Juliano não atuou pelo Santa Quitéria nesta partida, pois estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo, mas pode colocar no currículo que é bicampeão da Suburbana, pois foi um dos pilares do Nova Orleans campeão de 2014. Outro bicampeão é o meia Gean, que vestiu a 10 do time auriverde.

Um bi diferente

Dedé, do Santa Quitéria, comemorou duas vezes nos dois anos, mas de modo diferente. Em 2014, ele era o treinador do time juvenil do Combate Barreirinha, que venceu em campo a decisão (depois, o título acabou cassado no TJD por escalação irregular, indo parar com o Novo Mundo). Para a próxima temporada, o jogador-professor disse que quer tentar conciliar ser jogador do adulto do Santa Quitéria com função de treinador no juvenil, mas com prioridade à segunda função.

Curiosamente, quem herdou aquele título e pode (e deve) se considerar bicampeão é o técnico Leandro Chibior, que dirigia os juvenis do Novo Mundo naquela partida que foi decidida nos pênaltis lá no Bôrtolo Gava, casa do Operário Pilarzinho.

O artilheiro

Marcelo Tamandaré do Iguaçu passou em branco na decisão, mas fechou o campeonato com o título de artilheiro, tendo marcado 14 gols.

E os juvenis?

Como teve campeão também nos juvenis, diferente do que estamos fazendo normalmente, teremos um material à parte, inclusive com as fotos da partida num slideshow só para eles. Confira neste domingo.

Mais

Durante a semana, teremos material com alguns personagens da decisão. Não perca.

Ficha Técnica:

Iguaçu 0 x 0 Santa Quitéria

Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, Butiatuvinha, Santa Felicidade, Curitiba

Iguaçu: Rodrigo; Everson (Bruninho), Douglas, Emerson e Marabá (Guilherme Tomate); Juninho, Djonatan e Altair (Marcelo Moscatelli); Marcelo Tamandaré, Luciano Tanque (Thiaguinho) e Nilvano. Técnico: Juninho.

Santa Quitéria: Jonas; Renan, Lela, Bruno e Adriano Chuva (Lima); Adan, Edinaldo Pedra, Aroldo (João Vitor) e Gean (Julianinho); Robson (Jacaré) e Jônatas Omelete (Luan). Técnico: Leandro Chibior.

Arbitragem: José Mendonça da Silva Jr., Ivan Carlos Bohn e Luciano Roggenbaum.

Cartões Amarelos: Juninho (IGU); Renan, Edinaldo Pedra, Aroldo, Robson (SQT)

Confira imagens da partida:

Este slideshow necessita de JavaScript.

7 Comentários

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Enquete: Queremos saber qual jogo da Suburbana que vocês querem que a gente faça na próxima rodada

Uma das opções de nossa enquete é um provável retorno ao estádio do Imperial, desta vez em um jogo do Bangu

Uma das opções de nossa enquete é um provável retorno ao estádio do Imperial, desta vez em um jogo do Bangu

O Futebol Metrópole parecia convicto em qual jogo fazer na próxima rodada da Suburbana, mas a dúvida começou a pairar sobre nossas cabeças. Sendo assim, vamos dar ao povo a opção de escolher qual partida iremos fazer na próxima rodada da Suburbana. São duas opções. Só haverá mudança caso a homologação da rodada jogue a partida escolhida para algum lugar que nossa logística não alcance (o Octávio Nicco e o Francisco Muraro são alcançáveis). Então vote até às 21h50 horas de quarta-feira (9) para definir para onde a gente vai:

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Com ídolo do lado de fora, Urano vence Iguaçu e segue invicto

Laurinho, o auxiliar técnico, o mais alto, ao lado de Serginho Jordão, o treinador: sob comando da dupla, Urano segue invicto na Suburbana

Laurinho, o auxiliar técnico, o mais alto, ao lado de Serginho Jordão, o treinador, ambos ao fundo: sob comando da dupla, Urano segue invicto na Suburbana

O Urano bateu o Iguaçu por 1 a 0 na noite de quarta-feira (22), em jogo adiado da 3.ª Rodada da Suburbana, no Manecão. O gol do Azulão da Vila São Pedro foi marcado por Flavinho, aos 18 minutos do segundo tempo, mas o lado de fora das quatro linhas tinha alguém que brilhou no passado no mesmo clube e que agora, como auxiliar técnico, aumentou a invencibilidade do agora líder geral para três jogos: Laurinho.

O ex-camisa 9 revelou que a ansiedade antes do jogo só mudou de lugar. “Antes, era de entrar e ajudar a equipe. Agora, como auxiliar técnico é a de começar a partida e tudo acontecer da melhor maneira”, disse Laurinho.

Aos 40 anos, o auxiliar do técnico Serginho Jordão, também estreante na função dentro da Suburbana, usa parte da experiência de ex-atleta. “A gente tem o conhecimento de coisas que acontecem dentro e fora de campo para não cometer erros. A experiência propicia uma visão do jogo a´te melhor de quando jogávamos. Está dando resultado e está sendo um prazer trabalhar com eles para ter sucesso à frente. Nossa equipe foi reformulado e tem jogadores de qualidade. Vai dar muito o que falar”, afirmou.

O ex-atacante ainda recebe propostas para despendurar as chuteiras, porém, são todas negadas. “Estou afastado há quatro anos e coloquei na cabeça desde então que não daria mais para voltar, pois fisicamente tenho problema no joelho. Graças a Deus, tive esta consciência e agora partimos para outra”, explicou.

As duas equipes voltam a campo no sábado, com os juvenis jogando às 13h30 e os adultos às 15h30. O Urano vai à Arena Vermelha enfrentar o Novo Mundo, em um duelo da Zona Sul. O Iguaçu busca a reabilitação em casa, no Egydio Pietrobelli, contra o Renovicente.

O jogo

A partida foi bastante disputada com o Iguaçu ligeiramente mais incisivo no primeiro tempo e obrigando o goleiro Yuri a trabalhar em algumas jogadas e parando também em boa atuação da zaga do time da casa.

Em reformulação forçada, pois o atacante Willian está fora do restante da Suburbana por uma fratura dupla na perna esquerda sofrida no jogo contra o Trieste, o Urano demorou a se encontrar, mas isto aconteceu especialmente na segunda etapa, principalmente em jogadas de contra-ataque puxadas por Adriano Marmita, o substituto de Willian.

O gol saiu em um lance curioso. O zagueiro Douglas do Iguaçu recuava após uma tentativa de bote e a bola acabou sendo desviada pelo braço dele. Pênalti. Cobrado por Flavinho aos 18 minutos, deslocando o goleiro Rodrigo na cobrança.

Atrás no marcador, o Iguaçu partiu para o abafa e deixou o contra-ataque para o Urano. Porém, com uma defesa sólida, marca da equipe nas primeiras rodadas, o Azulão resistiu e chegou à segunda vitória em três jogos.

Antes tarde…

O atacante Marcelo Tamandaré do Iguaçu chegou ao Manecão perto do intervalo. Aqueceu e entrou aos nove do segundo tempo. Teve algumas chances de marcar, mas parou na boa zaga e no goleiro Yuri.

Nos juvenis deu Iguaçu após primeiro tempo truncado

Na preliminar, o Iguaçu levou a melhor sobre o Urano por 3 a 0. Após um primeiro tempo truncado com apenas uma chance de gol para cada lado, o time visitante levou a melhor e construiu vantagem elástica na segunda metade da partida. Juan abriu o placar aos 16 minutos, Leonardo ampliou aos 33 e Nícolas fechou o marcador aos 35.

Ficha Técnica:

Urano 1 x 0 Iguaçu

Estádio Manoel Garcia de Andrade (Manecão), Vila São Pedro, Xaxim, Curitiba

Urano: Yuri; Diego, Nathan, Wissan e Flavinho; Robinho, Michael, Massai (Eduardo Felipe) e Maicon; Adriano Marmita e Richard (Gleisson). Técnico: Serginho Jordão.

Iguaçu: Rodrigo; Caio (Roberto), Douglas, Emerson e Marabá; Zé Nunes, Juninho, Altair e Nilvano; Djonathan e Bruninho (Marcelo Tamandaré). Técnico: Alei Júnior.

Arbitragem: Lucas Paulo Torezin, Fabrício da Silva Martins e Luciano Roggenbaum.

Gol: Flavinho (URA), aos 18’/2.º.

Cartões amarelos: Diego, Michael (URA); Douglas, Zé Nunes, Altair (IGU).

Confira as imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

3 Comentários

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro