Arquivo da tag: Santa Quitéria

Baixe pôster do Santa Quitéria, campeão da Suburbana 2015

Para baixar o pôster, clique na imagem dele. Ele abrirá sozinho na sua aba. Então, clique com o botão direito do mouse e selecione “salvar como” ou equivalente no seu navegador.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

União após turbulências foi fundamental para título do Santa Quitéria, explica Chibior

Leandro Chibior, à esquerda, de branco, ao lado do microfone, comandou o Santa Quitéria rumo ao título da Suburbana de 2015

Leandro Chibior, ao centro/esquerda, de branco, ao lado do microfone, comandou o Santa Quitéria rumo ao título da Suburbana de 2015

A trajetória que levou o Santa Quitéria ao título da Suburbana após cinco anos de seca foi longe de ser linear. Por vários momentos, o fantasma da eliminação rondou o Maurício Fruet, como na derrota para Operário Pilarzinho na primeira fase e na derrota em casa para o Trieste na segunda, o que colocou o time do técnico Leandro Chibior na última colocação da chave antes da última rodada. Porém, depois daquele dia, foram quatro vitórias, um empate, um time renascido e campeão.

“Devemos à união deles. Quando a gente fechou o grupo e a comissão técnica na segunda fase, o time só veio a crescer. Esquecemos os problemas extracampo. Parabéns ao grupo que soube aceitar a proposta que a gente deu, de esquecer o extracampo e focar só no jogo”, afirmou o treinador Leandro Chibior após a partida no Egydio Ricardo Pietrobelli.

Agora, o atual elenco do Santa Quitéria entrou de vez na história do clube. “Foi raça, foco e principalmente humildade desses atletas que prevaleceu e os levou ao título. A gente até brincou na semifinal com o quadro de 2010 [último time campeão do Quitéria] que a gente tem de virar a página e estar na história. Agora, a gente está ‘enquadrado’ no clube”, disse Chibior.

Como campeão da Suburbana, o Santa Quitéria ganhou direito a disputar em 2016 a Taça Paraná, o estadual de futebol amador, competição que dá vaga para o Sul-Brasileiro, que no próximo ano será sediado no estado de São Paulo (a sede é transitória em formato de rodízio entre os quatro estados participantes). “Ainda vamos conversar. Temos de nos organizar bem para que não venha problemas extracampo. Se acontecer isso, deveremos segurar a maior parte do elenco”, contou o treinador.

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Torcida quase despe capitão do Santa Quitéria após título

Ao fim do jogo no Egydio Pietrobelli, Jônatas foi cercado por torcedores e ficou apenas de calção

Nos momentos que os colegas do finado site Impedimento classificariam como de loucura, psicopatia e caos, logo após o apito final do empate sem gols contra o Iguaçu que deu o título da Suburbana ao Santa Quitéria, no último sábado (5), o atacante Jônatas Omelete, capitão, autor do gol que deu o título (na vitória por 1 a 0 na ida) e artilheiro da equipe (com oito gols, sendo o quarto na classificação geral de artilheiros), foi cercado por torcedores do próprio Quitéria. Os adeptos, a fim de um souvenir do título histórico, levaram a a camisa 11, o par de meias amarelas e as chuteiras do ídolo. Em nome do decoro, o calção foi poupado pelos ensandecidos torcedores.

Vestindo apenas o calção e uma meia que usa por baixo do meião de jogo, Jônatas celebrou o título, mesmo sem a taça sendo entregue naquele momento. “Agora vale tudo. Olha essa torcida aqui, é muita emoção! Passamos por muitas dificuldades, mas está aqui a recompensa pelo título. Iremos ter a emoção de levantar a taça e quero agradecer a todo mundo”, disse o camisa 11.

No meio da comemoração, ainda sobrou uma alfinetada para os adversários da decisão, o Iguaçu. “Os caras do Iguaçu estavam falando demais que iam levar a decisão para o terceiro jogo e olha aí a festa nossa no campo deles”, concluiu o capitão auriverde.

 

Federação divulga nota sobre incidentes

A Federação Paranaense de Futebol (FPF) divulgou uma nota sobre a suspensão da premiação após os incidentes do fim da partida entre Iguaçu e Santa Quitéria. “Em função da falta de segurança no momento final do jogo, a premiação às equipes será feita posteriormente, em data e local que serão informados nos próximos dias pela Federação Paranaense de Futebol.”, diz a nota.

A FPF afirmou ainda na nota que ela e o mandante da partida, o Iguaçu, tomaram todas as medidas necessárias para a segurança do jogo e que tomará todas as medidas necessárias para punir os responsáveis pelos transtornos, que envolveu objetos atirados no gramado e brigas no entorno do campo.

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Santa Quitéria segura Iguaçu e conquista a Suburbana

Jogadores do Santa Quitéria comemoram o título da Suburbana. Distúrbios no fim da partida impediram entrega oficial da taça

Jogadores do Santa Quitéria comemoram o título da Suburbana. Distúrbios no fim da partida impediram entrega oficial da taça

O Santa Quitéria conquistou na tarde deste sábado (5) a Suburbana pela quinta vez em sua história. O título, primeiro desde 2010, veio num empate sem gols contra o Iguaçu no Egydio Ricardo Pietrobelli, casa do adversário. Como venceu a ida no Maurício Fruet por 1 a 0, gol de Jônatas Omelete, o time auriverde chegou aos quatro pontos no mata-mata decisivo, o que significou o título após uma partida defensivamente impecável.

A taça infelizmente não pôde ser levantada no gramado, pois distúrbios que começaram com objetos atirados no gramado e terminaram com intervenção da Polícia Militar fizeram com que o cerimonial do campeonato fosse transferido.

O jogo

O Iguaçu teve uma baixa poucos minutos antes do jogo. O goleiro Jura foi barrado ao sentir no aquecimento. Com isso, o Galo da Colônia foi com Rodrigo no gol, mas mantendo a certeza que teria de ir com tudo para cima numa formação ofensiva cheia de atacantes. O Santa Quitéria usou uma formação usual de sua equipe, dando recado que não viria apenas para se defender, mesmo em teoria se satisfazendo com um empate.

O Iguaçu começou com uma blitz ofensiva e quase marcou aos 12 minutos com Djonatan perdendo chance frente a frente com Jonas. Porém, o Santa Quitéria passou a equilibrar o jogo e a encaixar a marcação, mesmo que pecando muito na saída de bola. O time da casa sofreu um golpe aos 16 minutos quando perdeu seu vice-artilheiro, e do campeonato, Altair, por lesão.

Enquanto tentava atacar em números, o Iguaçu via o Santa Quitéria recuperar bem a bola no meio de campo e tentar emendar algum contra-ataque. Isso colocou o jogo em alta voltagem, mesmo que não houvesse lances deliberadamente violentos.

No segundo tempo, Jônatas Omelete quase abriu o placar para o Santa Quitéria aos 10 minutos. O tempo conspirava contra o Iguaçu, que martelou, parando em mais uma boa atuação do goleiro Jonas, e tomava seus sustos, como mais um, aos 41 minutos, com Luan. Um lance seria capaz de mudar tudo, podendo levar a decisão para um terceiro jogo.

O clima ficou nervoso demais fora de campo, com a partida sendo várias vezes paralisada nos últimos minutos por pedras, paus e latas atiradas no gramado pela torcida local. Era a pior coisa que poderia acontecer ao Iguaçu, que teve seu ímpeto cortado pela confusão e não teve tempo para mais nada.

Cenas lamentáveis deixam final sem taça

Ao apito final, a chuva de objetos tornou-se maior e incluiu pedras, tijolos e até cadeiras de plástico, que ficaram maiores quando parte da torcida do Santa Quitéria entrou em campo para comemorar com os jogadores. A Polícia Militar interviu, com direito a uso de balas de borracha, dispersando até o público que não tinha a ver com a confusão. Com isso o cerimonial de premiação foi adiado pela Federação Paranaense de Futebol.

Sem taça, os jogadores do Santa Quitéria primeiro ficaram acuados no lado inverso da confusão, depois comemoraram com sua torcida o título que não vinha desde 2010.

Jorge Mendonça XXI

O camisa 14 do Iguaçu, Caio, foi para a mesa, assinou a súmula e preparou-se para entrar. Eram passados 34 minutos do 2.º tempo. Ele iria entrar no lugar de Djonatan. Porém, o técnico Juninho pediu para a substituição esperar e lá ficou Caio por longos minutos ao lado do campo. No fim das contas, acabou não entrando na partida.

Campeão de novo

O meia Juliano não atuou pelo Santa Quitéria nesta partida, pois estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo, mas pode colocar no currículo que é bicampeão da Suburbana, pois foi um dos pilares do Nova Orleans campeão de 2014. Outro bicampeão é o meia Gean, que vestiu a 10 do time auriverde.

Um bi diferente

Dedé, do Santa Quitéria, comemorou duas vezes nos dois anos, mas de modo diferente. Em 2014, ele era o treinador do time juvenil do Combate Barreirinha, que venceu em campo a decisão (depois, o título acabou cassado no TJD por escalação irregular, indo parar com o Novo Mundo). Para a próxima temporada, o jogador-professor disse que quer tentar conciliar ser jogador do adulto do Santa Quitéria com função de treinador no juvenil, mas com prioridade à segunda função.

Curiosamente, quem herdou aquele título e pode (e deve) se considerar bicampeão é o técnico Leandro Chibior, que dirigia os juvenis do Novo Mundo naquela partida que foi decidida nos pênaltis lá no Bôrtolo Gava, casa do Operário Pilarzinho.

O artilheiro

Marcelo Tamandaré do Iguaçu passou em branco na decisão, mas fechou o campeonato com o título de artilheiro, tendo marcado 14 gols.

E os juvenis?

Como teve campeão também nos juvenis, diferente do que estamos fazendo normalmente, teremos um material à parte, inclusive com as fotos da partida num slideshow só para eles. Confira neste domingo.

Mais

Durante a semana, teremos material com alguns personagens da decisão. Não perca.

Ficha Técnica:

Iguaçu 0 x 0 Santa Quitéria

Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, Butiatuvinha, Santa Felicidade, Curitiba

Iguaçu: Rodrigo; Everson (Bruninho), Douglas, Emerson e Marabá (Guilherme Tomate); Juninho, Djonatan e Altair (Marcelo Moscatelli); Marcelo Tamandaré, Luciano Tanque (Thiaguinho) e Nilvano. Técnico: Juninho.

Santa Quitéria: Jonas; Renan, Lela, Bruno e Adriano Chuva (Lima); Adan, Edinaldo Pedra, Aroldo (João Vitor) e Gean (Julianinho); Robson (Jacaré) e Jônatas Omelete (Luan). Técnico: Leandro Chibior.

Arbitragem: José Mendonça da Silva Jr., Ivan Carlos Bohn e Luciano Roggenbaum.

Cartões Amarelos: Juninho (IGU); Renan, Edinaldo Pedra, Aroldo, Robson (SQT)

Confira imagens da partida:

Este slideshow necessita de JavaScript.

7 Comentários

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Em dia de Chuva, Santa Quitéria vence Novo Mundo de virada

Jogadores do Santa Quitéria comemoram gol de Adriano Chuva, abrindo a virada sobre o Novo Mundo

Jogadores do Santa Quitéria comemoram gol de Adriano Chuva, abrindo a virada sobre o Novo Mundo

Num campo molhado no Maurício Fruet, durante e após tempestade, Adriano Chuva teve seu dia de comandar o Santa Quitéria na vitória de 3 a 1, de virada sobre o Novo Mundo, em partida válida pela ida das semifinais da Suburbana. O resultado de sábado (14) deixou o time do lateral-esquerdo a um empate da decisão da Suburbana. Foi de Adriano Chuva o gol do empate e o cruzamento que virou a virada, marcado por Lela. Fernandinho ainda marcou para o Quitéria, enquanto que Lucas Batatinha fez o gol do Novo Mundo que abriu o placar.

“Coincidiu o tempo com meu apelido no futebol. Feliz por ter dado certo o Quitéria, tanto no coletivo individual. Sabemos que conseguimos uma pequena vantagem, mas tem jogo de volta. Respeitamos muito o time do Novo Mundo e sabemos que o Ivo [Petry] é um ótimo treinador e trabalha muito bem sua equipe”, afirmou Adriano Chuva.

“a gente viu aqui que pode fazer bom jogo. A gente errou muitas finalizações no primeiro tempo e tomou dois gols em bola parada. Temos total condição de reverter o resultado num campo melhor. Aqui tava ruim pros dois, mas desfavoreceu a gente que joga com a bola no pé no meio de campo”, disse Lucas Batatinha, autor do gol do Novo Mundo.

Os dois times voltarão a se enfrentar no próximo sábado, às 16h30, na Arena Vermelha. Um empate classifica o Santa Quitéria para a decisão. Como não tem saldo neste mata-mata, qualquer vitória do Novo Mundo leva a decisão para a prorrogação, em que o empate leva para os pênaltis. Na preliminar, às 14h30, nos juvenis, teremos Novo Mundo x Operário Pilarzinho, cujo jogo de ida você confere como foi mais embaixo nesta mesma reportagem.

O jogo

Durante a preliminar, uma tempestade caiu sobre o bairro do Santa Quitéria, molhando o campo, mas dando uma trégua no fim da partida. Porém, voltou a chover quando o time do Santa Quitéria entrou em campo e foi assim principalmente durante o primeiro tempo do jogo, o que deixou o campo do Maurício Fruet bastante enlameado e escorregadio.

Quem saiu na frente, dando um banho de água fria no torcedor que veio em bom número ao campo, foi o Novo Mundo. O goleiro Danilo, que substituiu Jonas, suspenso pelo terceiro amarelo, cometeu pênalti. Lucas Batatinha converteu a cobrança aos 16 minutos de jogo.

O Santa Quitéria sentiu o gol sofrido durante alguns minutos, mas foi se recolocando nos eixos, principalmente em cobranças de bola parada. Em uma delas, do lado direito, aos 36 minutos, Adriano Chuva bateu com perfeição e empatou a partida.

Com o placar empatado e os ânimos mais equilibrados, o Santa Quitéria começou a ter domínio do jogo. Na segunda etapa veio a virada. Após escanteio cobrado por Adriano Chuva, aos 10 minutos, Lela cabeceou para virar o marcador.

Na frente, o Santa Quitéria mostrou-se brigador no meio de campo e letal nos contra-ataques, enquanto que o Novo Mundo sentiu dificuldades na saída de bola. Foi em um contra-ataque que o terceiro gol veio, logo depois do segundo, aos 13 minutos. Fernandinho recebeu em velocidade pela direita e tocou na saída do goleiro Péricles.

Parabéns para você

Após a partida, os jogadores do Santa Quitéria deram um banho de lama no aniversariante do dia, o técnico Leandro Chibior, em frente à Torcida Taliban, que cantou “parabéns para você” ao comandante da equipe. Chibior teve duplo motivo para comemorar, tendo em vista a vitória da sua equipe.

Jogadores do Santa Quitéria dão os parabéns enlameados ao técnico Leandro Chibior

Jogadores do Santa Quitéria dão os parabéns enlameados ao técnico Leandro Chibior

Novo empate, mas menos gols nos juvenis

Na preliminar de juvenis, disputada entre Operário Pilarzinho e Novo Mundo, deu empate: 2 a 2. Foi um jogo bem corrido, com o Novo Mundo saindo na frente aos 9 minutos do 1.º tempo com Bueno de cabeça. O empate do Operário veio logo em seguida, aos 11, com Ramires acertando um forte chute na gaveta.

O Operário Pilarzinho virou o marcador logo aos 2 minutos do 2.º tempo com Yan cobrando pênalti. O placar foi definido com o empate do Novo Mundo por meio de jogada aérea finalizada por Léo Pereira aos 28 minutos.

Quem vencer a volta na Arena Vermelha leva a vaga para a decisão. Empate leva a decisão para os pênaltis.

Ficha Técnica:

Santa Quitéria 3 x 1 Novo Mundo

Estádio Maurício Fruet, Santa Quitéria, Curitiba

Santa Quitéria: Danilo; Luan (Renan), Lela, Bruno (Lima) e Adriano Chuva; Adam, Edinaldo Pedra, Fernandinho (Jacaré) e Gean; Jonatas Omelete e Robson (João Vítor). Técnico: Leandro Chibior.

Novo Mundo: Péricles; Paulo Sérgio, Samuca e Anderson (Dedé); Geraldo (Evandro), Dione (Marcelo), Hideo,  Mateus e Bruno; Gelson e Lucas Batatinha (Vaguinho). Técnico: Ivo Petry.

Arbitragem: Lucas Paulo Torezin, Ivan Carlos Bohn, Giovani M. de O. Massoquetto.

Gols: Lucas Batatinha (NMU), aos 16’/1.º; Adriano Chuva  (SQT), aos 36’/1.º; Lela (SQT), aos 10’/2.º; Fernandinho (SQT), aos 13’/2.º.

Cartões Amarelos: Danilo, Lela, Jonatas Omelete (SQT); Lucas Batatinha, Dedé (NMU).

Confira Imagens das Partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

1 comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Santa Quitéria vence Renovicente em jogo eletrizante e arranca vaga para as semifinais

Jogadores do Santa Quitéria comemoram gol de Gean, em cima da hora, com um jogador a menos: "thriller" de cinco gols no Solar do Bosque deu a classificação e o primeiro lugar da chave ao Santa Quitéria

Jogadores do Santa Quitéria comemoram gol de Gean, em cima da hora, com um jogador a menos: “thriller” de cinco gols no Solar do Bosque deu a classificação e o primeiro lugar da chave ao Santa Quitéria

Em um emocionante duelo de cinco gols, o Santa Quitéria venceu o Renovicente, em pleno Solar do Bosque, na tarde deste sábado (7), pelo placar de 3 a 2 e classificou-se para as semifinais da Suburbana. De quebra, com o empate sem gols entre Trieste e Vila Fanny, a equipe auriverde garantiu o primeiro lugar do equilibradíssimo Grupo D, tendo agora pela frente o Novo Mundo, segundo colocado do Grupo C.

Juliano, Baloy, que perto do fim do jogo foi expulso, e Gean, fizeram os gols do Quitéria, o último aos 44 minutos do segundo tempo, quando o time já estava reduzido a dez homens. Felipe Caron e Willian Israel marcaram para o Renove.

Para se ter ideia da pouca diferença técnica entre os quatro times da chave, o Santa Quitéria, com nove pontos e três vitórias, ficou em primeiro, com o Vila Fanny, nove pontos e duas vitórias, em segundo, o Trieste, oito pontos, em terceiro, e o Renovicente, sete pontos, em quarto. Apenas dois pontos de diferença de um total de 18 pontos disputados, 19 para quem teve ponto extra. Acrescentando a isso, os dois classificados terminaram a fase com saldo de gols zerado, sendo que Trieste teve saldo +1 e o Renovicente -1, mais um indício do nivelamento entre os times.

“Estou sem palavras. Essa equipe é guerreira, lutou para não cair, lutando contra tudo e contra todos. Só que a gente fechou, virou uma família no vestiário. Agora vamos focar a próxima fase, que mostra quem é homem de verdade. A gente trabalhar forte que vai ser outro jogo”, disse Gean, autor do gol da classificação.

 

Para o Renovicente, a temporada chegou ao fim com o sabor de que faltou pouco para chegar às semifinais. “Infelizmente não deu para sair com resultado positivo. Era um jogo chave hoje. Demos bobeira e entregamos dois gols para eles. Agora não tem mais o que fazer. Desde o início, era um grupo para chegar, tanto que fomos primeiros [na primeira fase], mas vacilamos em jogos que tínhamos três pontos na mão. Bobeamos e colhemos o que plantamos”, explicou o meia-atacante Felipe Caron, autor do primeiro gol de sua equipe. “O time a ser batido é o Iguaçu. Futebol pode ter surpresa e pode até não chegar, mas vejo como a equipe que todos terão de bater”, completou, dando um palpite do que vem pela frente.

As semifinais dos adultos serão jogadas entre Santa Quitéria e Novo Mundo, e Iguaçu e Vila Fanny. A FPF divulgará durante a semana a tabela e quais os pareamentos da categoria juvenil.

O jogo

Impossível dissociar a partida do Solar do Bosque do que acontecia ao mesmo tempo no Francisco Muraro, onde Trieste e Vila Fanny ficaram no 0 a 0 em um jogo que atrasou alguns minutos e deixou todo mundo na expectativa do que poderia acontecer com efeitos para a classificação. O certo, no apito inicial, era que uma vitória no Santa Cândida classificaria o vencedor e o empate só serviria ao Renovicente se houvesse uma vitória do Trieste lá em Santa Felicidade.

Com a bola rolando em ambos os campos, tanto Renovicente quanto Santa Quitéria estavam fora. Com isso, viu-se um jogo bastante franco, como na cobrança de falta aos 21 minutos em que Adriano Chuva acertou o travessão de Artur. As duas equipes apostaram em ataques velozes e um gol era questão de tempo para qualquer um dos lados.

Aos 37 minutos, em uma troca rápida de passes, a zaga do Renovicente parou pedindo impedimento e Juliano recebeu dentro da área para abrir o marcador para o Santa Quitéria. O meia-atacante jogou no sacrifício, antecipando o retorno após uma lesão no joelho, para poder ajudar a equipe. “Eu estava comentando com minha mulher que a gente ganhou todos os jogos que eu entrei”, contou após o jogo o atleta, que ano passado foi decisivo na conquista do título do Nova Orleans.

A resposta do Renovicente foi bastante rápida. Aos 41 minutos, numa trama de velocidade, Felipe Caron recebeu por dentro da defesa e arrancou para bater na saída de Jonas. Se o Santa Quitéria tinha ficado quatro minutos classificado naquele momento, tudo voltava à estaca zero.

Na segunda etapa, o Santa Quitéria começou mais objetivo e aproveitou a insegurança da defesa do Renovicente, com dificuldades na bola aérea e criando lances de terror cardiovascular para seus torcedores por dificuldades de comunicação, com os zagueiros trombando com o goleiro Artur por diversas vezes.

Logo aos 7 minutos, o Santa Quitéria voltou a liderar o placar. Após bola cruzada da direita, o zagueiro Baloy subiu mais que a zaga e cabeceou para as redes. Novamente a vaga voltava às mãos do Santa Quitéria.

A partir daí a adrenalina aumentou e até as cenas lamentáveis resolveram aparecer. Aos 21 minutos, após falta no lado direito do ataque do Santa Quitéria, o atleta do time visitante caído acabou sendo acertado pelo zagueiro Dudu. Isso gerou um empurra-empurra entre os atletas em campo e os atletas do banco do Santa Quitéria. Por entrar em campo sem autorização para tomar satisfações com os adversários, o zagueiro Raul, que estava no banco do Quitéria, acabou expulso aos 23 minutos, quando a contenda emfim conseguiu ser resolvida, sem sequer participar da partida como atleta.

Com os ânimos um pouco mais serenos, a partida voltou a ser disputada com o Santa Quitéria tentando matar de uma vez as possibilidades de ficar fora das semifinais e o Renovicente se esforçando para buscar o empate e depois ir atrás de uma virada que também o classificaria.

O empate veio em um pênalti cometido por Bruno ao empurrar um adversário na área. Aos 38 minutos, Willian Israel bateu com categoria, deslocando Jonas e botando fogo de vez na partida.

A chama subiu mais no minuto seguinte. Baloy acertou adversário após marcação de falta e levou cartão vermelho direto. Com o Santa Quitéria reduzido a dez homens, tudo parecia levar a crer que o Renovicente iria com tudo para buscar a virada e a classificação.

No entanto, a zaga tricolor deu bobeira mais uma vez e a bola sobrou, aos 44 minutos, para Gean, que primeiro ameaçou bater, tirando do goleiro, para aí chutar para o gol da classificação, fechando o placar em 3 a 2 para o Santa Quitéria.

Presidencial

Pela primeira vez no Solar do Bosque, fomos surpreendidos pela estrutura do estádio do Renovicente. Há um setor de imprensa com três amplas cabines, usadas pelo pessoal das rádios. Não é exagero considerá-las melhor equipadas que alguns estádios de futebol profissional.

Espaço aéreo disputado

O bairro do Santa Cândida, na zona norte de Curitiba, não é distante do Bacacheri, onde fica um dos aeroportos de Curitiba. Devido à pista curta demais e por ser muito próximo da cidade, o Aeroporto do Bacacheri converteu-se em local para aviões de pequeno porte, voos fretados e voos de treinamento. Vários aviões passaram sobre o campo do Renovicente durante a partida.

- Olha o avião!  - Caiu a marcação!

– Olha o avião!
– Caiu a marcação!

A distância das aeronaves era tão pequena que em muitos momentos o barulho dos motores ecoava pela região.

Mais uma aeronave sobre o Solar do Bosque

Mais uma aeronave sobre o Solar do Bosque

Mas não foi só avião que andou pelo espaço aéreo do Renovicente. Em dado momento do jogo, pôde-se observar uma pipa sendo empinada tranquilamente em uma tarde que a chuva não quis sair e até deu alguns momentos ao sol.

Se você já viu algo parecido, deve-se lembrar de Uberlândia x Caxias, quando também teve pipa perto do campo

Se você já viu algo parecido, deve-se lembrar de Uberlândia x Caxias, quando também teve pipa perto do campo

Caniggia no Renovicente

Não é bem o ex-craque argentino, mas sim um homônimo de penas. Os quero-queros do Recanto do Bosque têm nome. Um deles foi trazido há cerca de 20 anos do Clube Duque de Caxias, no Bacacheri, quando jovem, e foi tratado de um ferimento causado por uma bola de tênis que o deixou com uma das patas arqueadas. O nome que ele ganhou foi Caniggia. As aves deram o ar da graça dentro do campo em alguns momentos, mas preferiram o gramado ao lado das quatro linhas na maior parte do tempo.

Caniggia e família

Caniggia e família

Goleada classifica Renovicente no juvenil

Na preliminar de juvenis, o Renovicente precisava vencer e vencer com bom saldo para passar de fase, pois a disputa com o Vila Fanny era ponto a ponto e gol a gol. Missão dada e missão cumprida: 4 a 0 sobre o Santa Quitéria, que só cumpria tabela.

O placar foi todo construído no primeiro tempo. Fábio marcou aos 6 minutos e Lucas Miller ampliou aos 7 minutos. Jonas fez o terceiro gol do Reno aos 24 minutos e Emerson tratou de dar números finais à partida aos 37 minutos.

O Renovicente ficou com o segundo lugar da chave com 10 pontos, três vitórias e saldo +3, dois gols de saldo a mais que o Vila Fanny, que virou em cima da hora sobre o Trieste, primeiro colocado, 4 a 3, mas precisaria de mais três gols para ir às semifinais.

Ficha Técnica:

Renovicente 2 x 3 Santa Quitéria

Estádio Solar do Bosque, Santa Cândida, Curitiba

Renovicente: Artur; Willian Israel, Dudu, Leandro (Raul) e Julianinho; Ivan, Lila (Carlão), Douglas (João Paulo) e Ricardinho; Felipe Caron (Didi) e Willians Alves. Técnico: Rossano.

Santa Quitéria: Jonas; Cleiton (Luan), Baloy e Bruno e Adriano Chuva; Adan, Aroldo, Juliano (Fernandinho) e Gean; Robson e Jonatas Omelete (Edinaldo Pedra). Técnico: Leandro Chibior (suspenso, com Guilherme Grande orientado o time na beira do gramado).

Arbitragem: Selmo Pedro dos Anjos Neto, Diogo Morais e Heitor Alves Eurich.

Gols: Juliano (SQT), aos 37/1.°; Felipe Caron (REN), aos 41/1.º; Baloy (SQT), aos 7/2.º; Willian Israel (REN), aos 37/2.º; Gean (SQT), aos 44/2.º.

Cartões Amarelos: Willian Israel, Dudu, Ricardinho, Willians Alves (REN); Jonas, Bruno, Aroldo, Fernandinho, Luan (SQT).

Cartões Vermelhos: Jair (SQT), aos 23/2.º (entrou em campo sem autorização durante confusão); Baloy (SQT), 38/2.º (atingiu adversário após falta cometida).

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

1 comentário

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Trieste vence Santa Quitéria e embola mais ainda o grupo que já estava embolado

Jogadores do Trieste comemoram o primeiro gol da partida, marcado por Victor Tilly (6). Separados por apenas dois pontos, todos os quatro times do Grupo D vão para a rodada final com chances de classificação

Jogadores do Trieste comemoram o primeiro gol da partida, marcado por Victor Tilly (6). Separados por apenas dois pontos, todos os quatro times do Grupo D vão para a rodada final com chances de classificação

Lembram quando disse que o Grupo D da 2.ª Fase Série A da Suburbana estava embolado após a rodada passada? Então, esqueça aquilo, pois agora ele está mais embolado ainda, pois o Trieste venceu o Santa Quitéria por 2 a 0, na tarde deste sábado (31), no Maurício Fruet e, combinado com o empate de 1 a 1 entre Vila Fanny e Renovicente, deixou todos os times da chave separados por no máximo dois pontos.

Vencedor da partida, o Trieste, que tinha apenas um ponto após a terceira rodada, fecha a quinta com sete pontos, na vice-liderança da chave, superando o Renovicente pelo número de vitórias. Lanterna após a derrota, o Santa Quitéria tem seis pontos, dois a menos que o líder Vila Fanny, que tem oito.

“Creio que agora a bola começou a entrar. Estávamos jogando bem e a bola não entrava. Ninguém esperava mais da gente, que a gente estava morto, mas a gente acreditava e agora estamos vivos, mais que vivos. Vamos tentar agora ganhar do Fanny para terminar em primeiro e tentar vantagem na semifinal”, afirmou Victor Tilly, autor do primeiro gol do Trieste. “É complicado. A bola não entrou. Infelizmente dependemos de combinação de resultados. Precisamos fazer nossa parte contra o Renovicente. Foi difícil jogar neste campo com estas condições [bastante enlameado após as chuvas da manhã e da tarde de sábado], pois nosso time é técnico e o jogo virou mais chutões. Tivemos muitas chances e não aproveitamos e eles converteram as poucas. Futebol é detalhe e eles decidiram nos detalhes”, disse Jonatas Omelete, atacante do Santa Quitéria.

Na rodada decisiva, o Trieste recebe o Vila Fanny no Francisco Muraro, enquanto que o Santa Quitéria visita o Renovicente no Solar do Bosque. As partidas serão no próximo sábado (7), com os juvenis em campo às 14h30 e os adultos às 16h30.

O jogo

A partida foi jogada em um gramado bastante enlameado após as chuvas que se estenderam da hora do almoço até o final da preliminar de juvenis. Isso fez do duelo um jogo com bastante contato físico e com os times apostando bastante nas bolas paradas. E foi em uma falta que o Trieste abriu o placar logo aos 6 minutos do 1.º tempo. O lateral-esquerdo Victor Tilly bateu no canto direito de Jonas, que não teve muita possibilidade de defesa no lance.

Em ritmo alucinante, o Quitéria teve a chance de empatar no lance seguinte. Foi a única falta frontal cometida pelo Trieste e, em sua única chance como batedor na partida, o goleiro Jonas cobrou sem muita direção, à esquerda do gol defendido por Diego Molina.

Então desenhou-se a partida: o Quitéria apostou em transições longas aproveitando o excelente índice de acerto de passes e lançamentos de seu goleiro, parando numa defesa do Trieste em uma ótima atuação e contando com a sorte quando algo não dava certo. Por outro lado, o Trieste geria bem a posse de bola e apostava na leveza de seu meio de campo, que teve Erivelton Foguinho em grande forma, e no incômodo que o ataque formado por Laércio e Nathan, ambos muito fortes fisicamente, dava à defesa do time da casa.

Na segunda etapa, a bola parada fez mais uma vez a diferença. Aos 14 minutos, Alan cobrou escanteio da esquerda na cabeça do zagueiro Luciano, que escorou e correu para o abraço. A jogada foi cantada pelo técnico Mário Sérgio Feijão, explicando depois que havia executado a jogada mais de uma dezena de vezes no treinamento.

A partir daí, o Santa Quitéria passou a pressionar mais e parou em boa atuação de Diego Molina. Aos 42 minutos, parou na trave em cabeçada de Robson com o gol aberto, prova que não era mesmo o dia do ataque do Quitéria.

Rojão

Perto do fim da primeira etapa, o auxiliar Tom Gomes Rocha acabou acertado por um tubo de sinalizador usado pela organizada do Santa Quitéria. As primeiras informações são de que quem atirou o objeto foi identificado. A partida seguiu normalmente.

Sinalizador sobre a mesa do representante

Sinalizador sobre a mesa do representante

Torcedor de quatro patas

O Santa Quitéria teve um torcedor animal em suas arquibancadas. Um simpático cão circulou junto com a torcida. Infelizmente, não teve a oportunidade de adentrar o gramado. O futebol respira!

Este cachorro poderá latir para seus netos que viu uma ótima partida entre Santa Quitéria e Trieste

Este cachorro poderá latir para seus netos que viu uma ótima partida entre Santa Quitéria e Trieste

Bola parada (e que bola parada!) decide nos juvenis

Debaixo de chuva, o Trieste venceu o Santa Quitéria por 1 a 0 na categoria juvenil. O único gol da partida preliminar foi marcado pelo ala-direita Gustavo Santos e foi digno de nota. O camisa 2, aos 37 minutos do 1.º tempo, cobrou uma falta com precisão ao ponto da bola tocar o travessão perto da forquilha esquerda do goleiro, bater no chão e morrer no fundo das redes.

O Trieste tem 13 pontos e garantiu a classificação para as semifinais e o primeiro lugar da chave. O Santa Quitéria, que cumpre tabela, estacionou com apenas um ponto, e já sabe que será o quarto colocado do grupo.

Ficha Técnica:

Santa Quitéria 0 x 2 Trieste

Estádio Maurício Fruet, Santa Quitéria, Curitiba

Santa Quitéria: Jonas; Luan, Jair e Adan; Luan, Ednaldo Pedra (Dedé), Aroldo (Lima), Gean (Cleiton) e Adriano Chuva; Robson e Jonatas Omelete. Técnico: Leandro Chibior.

Trieste: Diego Molina; Buiu, Luciano, Carlinhos e Victor Tilly; Cirilo, Amarildo, Alan (Giovane) e Erivélton Foguinho (Alex); Laércio e Nathan (Nenê). Técnico: Mário Sérgio Feijão.

Arbitragem: Adriano Milczvski, Giovani M. de O. Massoqueto e Tom Gomes Rocha.

Gols: Victor Tilly (TRI), aos 6’/1.º; Luciano (TRI), aos 14’/2.°.

Cartões Amarelos: Bruno, Aroldo, Dedé (SQT); Amarildo, Alan, Laércio, Nathan (TRI).

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

2 Comentários

Arquivado em Futebol Alternativo, Metrópole adentro