Futebol mineiro dominou o Brasil em 2014. Dá bilhão?

Cruzeiro e Atlético-MH decidiram a Copa do Brasil de 2014, mas Mineirão não encheu (Gualter Naves / Vipcomm)

Cruzeiro e Atlético-MG decidiram a Copa do Brasil de 2014, mas Mineirão não encheu (Gualter Naves / Vipcomm)

O futebol mineiro está em alta neste ano e os títulos falam por si. O Cruzeiro foi bicampeão brasileiro, o Atlético-MG faturou a Copa do Brasil. Até o pequeno Tombense faturou um título, a Série D. Dos cinco títulos nacionais (A,B,C,D e Copa do Brasil), três são mineiros. Mas isso é sustentável? Dá bilhão?

Primeiro lugar é importante entender o atual momento destes três clubes. O Galo, que veio de uma Libertadores em 2013, vive financeiramente na berlinda. Caso recente foi a penhora do dinheiro da venda do meia Bernard para o Shakhtar. Segundo infográfico de Marcos Britto do Estadão, a dívida alvinegra é de R$ 438,4 milhões. A médio prazo, pode significar uma precarização do clube, principalmente se essas dívidas forem pagas um dia (enquanto não forem criados padrões financeiros para punir e disciplinar a insolvência dos clubes, os credores demorarão para ver a cor do dinheiro). Se os títulos não inverterem a curva de endividamento do clube, a apaixonada torcida poderá sofrer no futuro, ainda mais com uma estrutura cara. O time atual é uma interessante mescla de experientes e jovens emergentes, alguns saídos da boa base da Cidade do Galo, fruto da boa visão da diretoria de futebol do clube.

O Cruzeiro também tem uma dívida considerável, de quase R$ 200 milhões. O mérito da diretoria consiste num bom relacionamento com empresários e na manutenção de uma base e de um elenco numeroso e qualificado, extremamente útil no Brasileirão. Vários reservas do Cruzeiro seriam titulares na maioria dos outros times da Série A. Alguns garotos estão sendo enxertados na equipe aos poucos, o que pode significar uma queda dos custos da equipe mais para a frente. Os custos anuais da Raposa são parecidos com o do arquirrival e leva como vantagem maior arrecadação de bilheteria. Mesmo assim, o risco é o mesmo.

O Tombense é um caso particular. É um clube antigo, mas arrendado pelo empresário Eduardo Uram para registro de jogadores. As receitas da parceria começaram a financiar o profissionalismo no clube, que teve subida meteórica, sendo de uma cidade de pouco menos de 10 mil habitantes. O tamanho da cidade é um limitador para o sucesso do clube e não sabe-se até onde continuará recebendo investimentos. É um caso para se acompanhar de clube de empresário.

Os percalços destes clubes são os mesmos de todo o futebol brasileiro, o que pode significar uma futura rotatividade de forças, até pelo esgotamento da forma de que são geridos. O modelo não é sustentável. Enquanto os grandes podem ruir financeiramente se não fizerem grandes vendas para derrubar o déficit e não mantiverem a arrecadação em alta. O Tombense é refém de um mecenas, que ajuda o clube, mas, por mais que tenha parceria duradoura (15 anos), pode um dia acabar.

E a sanha por arrecadação provocou um momento triste na decisão da Copa do Brasil: nenhum dos dois jogos teve estádio tomado. Tudo fruto da falta de entendimento e da ganância das diretorias. Olhe a foto ali em cima. Viu o espaço vazio na reta do estádio? Com ingressos na casa das centenas de reais, não é qualquer um que paga, o que resultou em 39.786, bem menos que os 60 mil esperados. Os clubes arrebentaram a corda entre o preço que podem cobrar e o quanto o torcedor quer ou pode pagar, mas isto é algo para um próximo texto, pois vai render muito.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Opinião

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s